Leonardo Rolim diz que estamos em transição para um “novo INSS”

A afirmação foi feita hoje, em audiência com a FENASPS, que discutiu também os preparativos para a reabertura do atendimento ao público nas agências, e a remodelação do sistema de metas. Assista a Live da FENASPS, hoje, 19 horas, onde os diretores que participaram da audiência passarão os detalhes da reunião e darão as orientações para a categoria.

Hoje, dia 10 de julho, ocorreu mais uma audiência entre a FENASPS e o presidente do INSS para a gestão informar as providências que estão sendo adotadas para a reabertura do atendimento ao público nas agências do INSS, previsto agora para ocorrer no dia 3 de agosto.

A este respeito, Leonardo Rolim voltou a frisar que as agências só serão reabertas quando a situação da pandemia permitir, e quando as medidas sanitárias e de segurança (aquisição de EPI e instalação de EPC) forem implantadas em todas as unidades. Os representantes dos servidores pediram que fosse garantido que a FENASPS e sindicatos pudessem fiscalizar a implantação deste protocolo sanitário e medidas de segurança, o que foi aceito pelo gestor.

Outra questão levantada pelos representantes dos trabalhadores foi a remodelação do sistema de metas por meio da Portaria nº 689, de 17 de junho de 2020. Neste ponto, foi colocado ao presidente que a publicação dessa norma foi entendida pelas entidades e pelos trabalhadores como ruptura das conversações que haviam sido iniciadas na esteira da mobilização contra o roubo de tarefas, em maio, quando foi instalado um GT específico para debater a questão.

Face a isso, foi apresentada reivindicação aprovada na plenária da FENASPS, que pede a revogação imediata da Portaria nº 689, a retomada do GT e a aplicação dos deflatores de maio. A gestão informou que não há possibilidade de revogação dessa portaria, mas que está aberta a discutir a reformulação das metas. Ficou encaminhado que a gestão irá marcar data para retomada do GT das metas e do Serviço Social para discutir a questão.

Uma novidade em relação às reuniões anteriores surgiu quando o presidente foi questionado a respeito da contratação dos temporários (aposentados e militares). Quanto a isso Rolim respondeu que esses trabalhadores foram contratados temporariamente até dezembro de 2021, período que, segundo ele, será operada uma profunda reestruturação do INSS e das atividades desempenhadas pelo instituto. De acordo com o gestor, os temporários irão desempenhar suas atividades e ajudar neste período de transição para um “novo INSS”.

A colocação reforça um debate que o Coletivo Mudança e Renovação tem procurado salientar, sobre a necessidade da categoria se apropriar da discussão sobre os reflexos que a reestruturação do instituto terão sobre a carreira do seguro social. A COVID-19 tem servido como pretexto para acelerar o processo de transformação das relações e práticas de trabalho, que também se inscreve no marco geral da reforma administrativa. Seguremos promovendo e procurando ampliar este debate.

Assista a Live da FENASPS hoje, 19 horas, onde os diretores que participaram da audiência passarão os detalhes da reunião e darão as orientações da categoria.