Caos nos Hospitais Federais do Rio de Janeiro

Nesta terça feira, dia 17/02, houve uma importante reunião no Ministério da Saúde para discutir a grave situação dos hospitais federais do Rio de Janeiro, provocada principalmente pela falta de servidores, participando a Diretora da Fenasps, Lúcia Pádua, pelo Coletivo Mudança e Renovação.
A crise da rede federal se arrasta há alguns anos. Porém, em 2019, a situação se agravou com o aumento do número de aposentadorias, após a incorporação da última parcela da gratificação de produtividade. Chegamos ao fundo do poço,  com a suspensão de tratamentos oncológicos e ausência completa de médicos no plantão do HFB neste último fim de semana!
Nesta reunião, Ademir Lapa (Coordenador da COGESP) informou que o MS solicitou autorização ao Ministério da Economia para realização de certame emergencial para 4 mil vagas de contrato temporário até março, e que o Ministro da Saúde vai fazer pressão, junto à equipe econômica, para realização de concurso para 8 mil vagas, previsto para novembro de 2020.
Outro assunto debatido foi o assédio moral, que vem se agravando nas unidades, inclusive com a proibição de realização de reuniões e até mesmo entrada de dirigentes dentro das unidades. Nesse ponto, Ademir Lapa se comprometeu em fazer contato com a Superintendência do MS no Rio de Janeiro, para garantir o direito constitucional dos servidores se organizarem.
Diante da política nefasta do governo Bolsonaro e de seu ministro Paulo Guedes, empenhados em destruir o serviço público, demonizando os servidores perante a população (chamando-os de parasitas, improdutivos e privilegiados), Reforma Administrativa e a PEC Emergencial, é de fundamental importância aprofundar a organização dos servidores dentro dos institutos e hospitais federais para fazer frente à política de desmonte do maior complexo hospitalar público do país e defender os direitos dos servidores. Após o Carnaval, vamos dar sequência à agenda de reuniões nas instituições de saúde: construir o dia 18/03 e o calendário de luta unificada dos servidores públicos federais.
Apesar das dificuldades e obstáculos postos para nossa participação, o coletivo Mudança e Renovação (minoria na diretoria da FENASPS) reitera a nossa intransigente defesa dos  hospitais federais do Rio de Janeiro e de todos os trabalhadores que travam batalhas diárias em defesa da Saúde Pública.