DIRETORES DA FENASPS PARTICIPAM DE DEBATE DA MP 871/19 NO RS

Na cidade de Porto Alegre – RS no auditório do SINDISPREV em 30 de março de 2019, ocorreu encontro extraordinário com os trabalhadores do INSS para debater a MP 871/19, condições de trabalho  e a questão do bônus, membros da FENASPS do coletivo Mudança e Renovação estiveram presentes para acompanhar o debate e ouvir os servidores.

Segundo Thaize Antunes diretora da Fenasps: “o encontro foi de extrema relevância visto que esta ocorrendo de forma acelerada no INSS alterações nos fluxos e processos de trabalho que impactam diretamente na carreira do seguro social, a MP 871/19 trouxe diversas inovações e alterações nos benefícios concedidos pelo INSS que na prática restringem o acesso da população. No caso do bônus para a análise de benefícios avalia que é necessário dialogo com a base, a fim de entender os anseios da categoria, alertar sobre os prós e os contras. Adverte  também, que posições extremas sobre este assunto  não irão de fato contribuir com a necessidade de unidade e mobilização da categoria. Nessa esteira, informa que sobre a modalidade jornada/produção aplicada no setor de perícia médica , já existem relatos de peritos médicos que não estão conseguindo cumprir a meta estipulada e consequentemente estão tendo descontos salariais.   Neste sentido, é  urgente fazer a discussão sobre os ritmos e processos de trabalho e pautar metas exequíveis para a jornada ordinária”.

“O centro da discussão não deve ser a aceitação ou não do bônus, mas sim a questão das condições de trabalho, ritmos e processos e as metas exequíveis , a exemplo da fixação  dos  90 pontos ordinários, que é um ponto central que poderá ser base para o IMA-GDASS, Teletrabalho, bônus, etc. A tendência em curso e substituir jornada/hora por jornada/produção”, pondera Ailton Marques diretor da Fenasps presente no encontro.

Para Daniel Emmanuel diretor da Fenasps e do SINDISPREV: “o pano de fundo e o contexto da reforma da previdência com a retirada de direitos de servidores e que irá alterar tragicamente o escopo da autarquia responsável pela a concessão de benefícios previdenciários e assistenciais, combinando isso a precarização e sucateamento do INSS que hoje possui um acervo elevadíssimo. Destaca que a proposição do governo para o bônus cumpri o papel de “queimar” o estoque do acervo, porém realizado essa etapa indagada: O que será da carreira do seguro social? Nesses termos é necessário retomar as bandeiras em torno de um plano de carreira com atividades privativas e indelegáveis aos servidores da carreira do seguro social”.

“O estabelecimento do bônus para o conjunto da carreira do seguro social, não observou a natureza de outras atividades realizadas na autarquia, por exemplo dos serviços previdenciários (Serviço Social e Reabilitação Profissional) realizada por profissionais que possuem atividades especificas nesses serviços, e que nesse momento desde 2016 passam por um processo de desmonte”, completa Anahi Marques diretora da Fenasps.

Abaixo reproduzimos na integra a nota sobre o encontro e os encaminhamentos: